Cristo ressuscitou! Confira como foram as celebrações da Vigília Pascal e Domingo de Páscoa

Em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, o lugar da Ressurreição, as belas celebrações, no Sábado Santo e Domingo de Páscoa, fizeram ecoar o grande anúncio da ressurreição.

“Não temais! Procurais Jesus, que foi crucificado? Ele ressuscitou”. Esta é a grande verdade da fé cristã anunciada no Evangelho da Vigília Pascal. Na Basílica do Santo Sepulcro, os sinos apontavam o anúncio da Páscoa. Este é o único local do mundo em que a Mãe das Vigílias acontece pela manhã do Sábado Santo. Uma experiência profunda porque aqui é o lugar onde Cristo ressuscitou.

MARIA TERESA CARRIÒN
Espanha
“Eu já visitei os lugares santos muitas vezes. Mas não havia vivido a Semana Santa e é uma experiência única, maravilhosa e muito forte. Muito intenso para o nosso coração e nossa alma”.

A Vigíia de Páscoa foi presidida pelo administrador apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém, Dom Pierbattista Pizzaballa, e reuniu sacerdotes, religiosos e peregrinos para uma celebração rica de simbologias.

O primeiro momento é dominado pela luz. Acontece a bênção do fogo diante da pedra da unção e a incisão de uma cruz no círio pascal, que contém as letras gregas alfa e ômega. Em seguida, o círio é aceso com a chama retirada do Santo Sepulcro. A partir desta chama, os presentes também acendem suas velas.

A segunda parte é dedicada à Liturgia da Palavra. São sete leituras do Antigo Testamento, alternadas de um salmo responsorial e uma oração. A Igreja percorre as profecias e a história do povo de Deus até o anúncio da Ressurreição.

A leitura do Evangelho é feita diante da porta da edícula e introduz o terceiro momento: a bênção da água seguida da renovação das promessas batismais e aspersão da água benta. O gesto simboliza a vida nova em Cristo.

SPK1 – 00.00.
Já no Domingo de Páscoa, a Missa no Santo Sepulcro também foi presidida pelo administrador apostólico. Neste ano, devido à diferença de calendários, a Páscoa coincidiu com o Domingo de Ramos dos cristãos ortodoxos. Único lugar do mundo em que celebrações de diferentes ritos acontecem ao mesmo tempo.

Na homilia, Dom Pizzaballa ressaltou que, diante, de conflitos políticos e guerras que desprezam a vida, percebe-se, na verdade, a consequência e não a origem da morte. Esta, antes de tudo, é o uso cínico do poder que decide o destino de povos inteiros e promove guerras. Contudo, hoje é o dia de sair dos sepulcros e comunicar a esperança.

Fr. VALDIR NUNES, ofm
Convento São Salvador
“Não devemos ser passivos nessa história, mas promover ações concretas de diálogo, reconciliação. Mas, sobretudo, construir um mundo mais fraterno, justo e solidário. De maneira que o mundo possa refletir aquele sonho de Jesus: que o Reino de Deus seja, de fato, uma realidade em todo o mundo.”

Ao final da Missa, para indicar o anúncio da Páscoa aos quatro cantos do mundo, as narrativas sobre a Ressurreição dos Evangelhos são proclamadas em quatro pontos ao redor da edícula do Santo Sepulcro. Uma proclamação que parte do local que mudou a história da humanidade. Porque, de fato, o sepulcro está vazio.

Produzido por CMC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Visite a nossa loja, veja as promoções, assine,contribua e concorra a uma viagem à Terra Santa,participe! Dispensar